Menu Fechar

4/4 – Santo Isidoro de Sevilha, Bispo e Doutor da Igreja

Considerado o homem mais douto do seu tempo, Santo Isidoro foi um precursor tanto no campo eclesiástico quanto civil, podendo ser considerado um dos pais da Idade Média.

O santo nasceu na cidade de Cartagena (Espanha), filho de Severiano e Teodora, ambos de alta nobreza e virtude. Foram seus irmãos São Leandro, que o precedeu na Sé de Sevilha, São Fulgêncio, Bispo de Ecija, e Santa Florentina, da qual se diz que governou 40 conventos e 1000 monjas.

Isidoro era muito inteligente, de memória fabulosa, e muito aplicado ao estudo e à leitura. Em 579, seu irmão Leandro foi nomeado Arcebispo de Sevilha, mas um ano depois, com seu irmão Fulgêncio, foi desterrado por combater a heresia ariana (que nega a unidade e a consubstancialidade das três pessoas da Santíssima Trindade e, por consequência, a divindade de Jesus Cristo).

Essa perseguição terminou com a morte do Rei Leovigildo, fanático ariano. Ascendeu ao trono Recaredo que abjurou a heresia ariana. Tendo seus irmãos regressado às respetivas dioceses, Isidoro retirou-se para um mosteiro, onde continuou os seus estudos, chegando a dominar inteiramente o latim, o grego e o hebraico.

Além de sábio, Isidoro era um organizador. Dando-se conta de que a legislação que regulava a vida monástica era falha e obscura em muitos pontos, escreveu para os vários mosteiros da Espanha uma Regla de los Monjes, onde tudo é claro, simples e metódico.

No ano de 600, tendo falecido Leandro, Isidoro foi escolhido pelo Rei e pelo povo para o substituir na Sé de Sevilha, então a principal de toda a Espanha. Como bom pastor, pregava ao povo, governava a diocese, reuniu concílios – um em 619 e outro em 625 –, promulgou sábios decretos para promover a cultura e melhorar os costumes, defendeu a ortodoxia, converteu um bispo oriental, que propagava no sul da Espanha o eutiquianismo (heresia que nega a existência de duas naturezas em Jesus Cristo: a natureza humana e a natureza divina), e confundiu um prelado godo que se havia levantado à frente de uma reação ariana. Mais ainda: não poupou esforços para exterminar o arianismo, que infestava ainda grande parte de sua diocese. Procurou reformar os costumes dos fiéis que se tinham corrompido sob o reino dos hereges e esmerou-se para restabelecer em todo o seu esplendor a disciplina eclesiástica e fazer com que os ofícios da Igreja fossem celebrados com a majestade e a devoção que pedem a grandeza do Deus que neles se honra e louva.

Para isso, dedicou especial atenção à educação da juventude, fundando vários colégios e seminários. Esses colégios eram verdadeiras universidades, das quais saíram homens ilustres como São Bráulio, depois Arcebispo de Saragoça, e Santo Ildefonso, os quais posteriormente fizeram o catálogo das inúmeras obras de Santo Isidoro.

Para os seus estudantes, escreveu uma multidão de tratados, cuja extensão e profunda doutrina abraçam todos os conhecimentos humanos daquela época, desde a mais sublime teologia até à agricultura e à economia rural. A principal das suas obras, os 20 livros de Orígenes o Etimologías, é uma verdadeira enciclopédia ou dicionário universal, que faz descobrir o raro e agudo engenho do seu autor, como também a sua extraordinária erudição e assombroso trabalho de investigação. Isidoro foi, assim, o primeiro escritor cristão a reunir, para os católicos, uma suma do conhecimento universal.

Tal como seu irmão Leandro, teve proeminente participação nos concílios de Toledo e de Sevilha. Com toda a justiça se pode dizer que é em grande medida devido ao trabalho esclarecido desses dois ilustres irmãos que a legislação visigótica, que procedeu desses concílios, é vista pelos historiadores modernos como exercendo a mais importante influência nos começos do governo representativo.

Isidoro faleceu em 636. O VIII Concílio de Toledo, em 653, denominou-o “Doutor insigne de nosso século, novíssimo ornamento da Igreja católica, o último na ordem dos tempos, mas não na doutrina; o homem mais douto nestes críticos momentos de fim das idades”.


Foto: Luis García [CC BY-SA 2.5]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

4 + ten =