Menu Fechar

Lourdes: seus diversos ensinamentos, por que alguns são curados e outros não?

Os acontecimentos de Lourdes são ricos em ensinamentos para nós, e um desses é a respeito do sofrimento.

Observam-se em Lourdes diferentes atitudes da Providência diante do sofrimento humano, as quais têm sua razão de ser, apesar de parecerem até contraditórias, dentro da perfeição dos planos divinos. De um lado, o que mais chama atenção em Lourdes é Nossa Senhora que tem pena do sofrimento dos homens, atende aos rogos deles e opera milagres para os livrar das dores que eles sofrem.

É, por outro lado, Nossa Senhora que tem também pena das almas, e para provar que a Fé Católica é verdadeira, pratica milagres para obter conversões.

Mas, de outro lado, vemos em Lourdes outro aspecto. E são os inúmeros doentes que vão a Lourdes e voltam sem ter sido curados. Por que razão Nossa Senhora opera a cura de uns e não de outros? Qual é o mistério? Porque é muito fácil a gente compreender que alguns sejam curados.

Nisso também Nossa Senhora nos dá um grande ensinamento. Porque mostra, por Sua bondade em Lourdes, que Ela é nossa Mãe, que tem pena de nós, que Ela quer e pode praticar maravilhas por nós, e Ela as pratica. E, entretanto, a maior parte dos doentes que vão lá voltam sem ter sido curados.

Em Lourdes, ao não operar a cura, a Providência ensina que para a grande maioria das almas o sofrimento é necessário para a santificação

Qual é então a razão de ser disto? Qual é a razão mais profunda desse facto?

Creio que é um dos mais estupendos milagres de Lourdes.

Se a gente prestar bem atenção nesse facto, passasse o seguinte: para a grande maioria das almas o sofrimento é necessário para a santificação. As doenças são necessárias para a santificação. E é mesmo por meio das doenças e das provações espirituais que a pessoa se santifica. E quem não compreende o papel do sofrimento e da dor para operar nas almas o desapego, o amor de Deus, e a regeneração, não compreende absolutamente nada. É por esta forma que as almas se santificam. E São Francisco de Salles chegou a afirmar que o sofrimento é verdadeiramente o “8º sacramento”, de tal maneira é indispensável.

Ora, Nossa Senhora agiria contra o interesse da salvação das almas, se a toda alma Ela tirasse as doenças. E certas almas, para certos efeitos, de algum modo convém tirar o sofrimento. Mas normalmente não convém. De maneira que essas pessoas vão a Lourdes e voltam sem ter sido curadas. Prova de quanto Nossa Senhora, tão misericordiosa, acha, entretanto, indispensável o sofrimento para a salvação das almas.

O maior milagre de Lourdes é a resignação e a aceitação do sofrimento

Corpo incorrupto de Santa Bernadette Soubirous. Wikimedia Commons

Mas há uma coisa muito bonita ali, que é a seguinte: em Lourdes se verifica que Nossa Senhora dá ao doente uma tal conformidade com a enfermidade, que eu nunca ouvi contar o caso de uma pessoa que tenha estado lá e não sendo curada se revoltasse. Pelo contrário, as pessoas voltam enormemente resignadas, satisfeitas de terem ido fazer sua visita a Lourdes, verem outras que foram curadas. E há até casos numerosos de pessoas que vêm de longe, da Índia, da América, vêm sei lá de onde para serem curadas, e que vendo ao lado outras que têm mais necessidade de serem curadas, pedem a Nossa Senhora isto: que eu não seja curado contanto que esse seja curado, e aquele seja curado...

Quer dizer, uma pessoa que aceita a doença, aceita o sofrimento ── e a doença que leva alguém ainda a Lourdes não pode ser qualquer resfriado, quer dizer, é uma coisa puxada, uma dor forte ── aceita isto em benefício do outro. Verdadeiro milagre de amor ao próximo por amor de Deus, milagre moral arrancado ao egoísmo humano, e que é milagre mais estupendo do que uma cura física propriamente dita.

Mas há algo talvez mais bonito ainda em Lourdes: o Convento de Carmelitas que lá existe. São contemplativas recolhidas que têm o propósito de expiar e sofrer todas as doenças para obter graças para os corpos e para as almas das pessoas que vão a Lourdes pedir essas graças. De maneira que elas nunca pedem a sua própria cura e aceitam todas as doenças que queiram cair em cima delas em benefício das almas que vão à Gruta de Lourdes para pedir a sua própria cura. Então elas sofrem coisas horrorosas, levam às vezes uma vida inteira de sofrimentos, e às vezes morrem de uma morte prematura com o fito, o objectivo especial de fazer bem para as outras almas.

A intenção de Nossa Senhora em Lourdes é especialmente a de produzir milagres de carácter espiritual que leva almas para o Céu

Quando os senhores abrem os olhos nesse mundo aqui em volta e prestam atenção como é a natureza humana decaída pelo pecado original, compreendem que esses actos de abnegação, que estão tão longe da natureza humana e causam ao egoísmo humano um tal horror, que este é um milagre maior do que todas as outras curas que se fazem em Lourdes. E mostra bem qual é a intenção de Nossa Senhora nas curas lá feitas: produzir esses milagres de carácter espiritual, de carácter moral que levam as almas para o Céu.

Porque o que seria Nossa Senhora, se Ela aparecesse em Lourdes para fazer bem para os corpos que perecem, e não para as almas que não perecem? E qual seria esse amor d’Ela aos homens, a não ser o principal objectivo de levar para o amor de Deus? Porque nada de melhor para os homens se pode desejar.

E depois, porque deve-se amar mais a Deus do que aos homens, então compreendemos bem o grande ensinamento de Lourdes. O maior ensinamento de Lourdes não é o ensinamento apologético, tão grande, tão importante. Mas é o da aceitação da dor, do sofrimento, da derrota, do fracasso se preciso for.

Então dirão: "Mas é muito difícil aceitar isto. É muito difícil carregar a dor por esta forma".

A resposta temos na Agonia de Nosso Senhor Jesus Cristo no Horto das Oliveiras. Quando posto diante de todo o sofrimento que estava diante d’Ele, disse: "Se for possível afaste-se de Mim este cálice. Mas seja feita a vossa vontade e a não a minha".

É a posição que devemos ter diante de nossos sofrimentos particulares. Se for possível, afaste-se de mim este cálice. Mas seja feita a vossa vontade e não a minha.

Veio um Anjo consolar a Nosso Senhor. A graça nos consolará também nos sofrimentos que Nossa Senhora nos mande.

Coragem, portanto, resolução, energia, compreensão do significado do sofrimento, e alegria por nós sofrermos. Porque se sofre, é dos predestinados; são os réprobos os que não sofrem.


Plinio Correa de Oliveira
(* Excertos de palestra pronunciada em 6 de Fevereiro de 1965. Sem revisão do autor)
Fonte: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_SD_650206_Lourdes.htm#.YgOT7LrMJD8

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

4 × one =