Menu Fechar

Coração de Maria, nossa esperança!

Omnis gloria Filiae Regis ab intus (Salm. 44, 15): toda a glória da Filha do Rei está no seu interior. Assim como não se conhece deveras a Cristo enquanto não se conhece Seu Coração – o Coração de Jesus é o melhor ponto de vista do Salvador, é a chave do enigma de todas as Suas misericórdias, o abismo inesgotável de todas as suas invenções de amor… – assim também Maria Santíssima só será conhecida e amada e reinará plenamente nas almas, quando intimamente for conhecido o Seu Coração Imaculado. É também ele o melhor ponto de vista de Maria. À luz do Seu Coração ilumina-se das mais suaves e deslumbrantes tonalidades a sua virgindade sem par, a sua inexcedível dignidade de Mãe de Deus, de Esposa do Espírito Santo e de Filha Predileta do Altíssimo, a Sua terníssima solicitude de Mãe dos homens e de Rainha dos Céus e da Terra.

O seu Coração é o ímã misterioso que nos arrebata os corações, o que levou São Bernardo a denomina-la a arrebatadora dos corações: raptrix cordium. Mas se é pelo Coração que Ela nos conquista a nós, é também ele a arma com que conquistamos a Ela: tocar-lhe no Coração é vencê-la. E – mistério profundo! – não é outro o cetro com que Maria impera junto do Altíssimo. Mostrar ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo o seu Coração de Filha, Esposa e Mãe é conquistar a Deusé inclinar a seu favor toda a Santíssima Trindade.

Daqui vem que tudo o que se afirma de Maria Santíssima na sua missão e misericórdia a respeito dos indivíduos, da humanidade e da Igreja em especial, se haja de afirmar com mais forte razão do seu Coração Imaculado.

Portanto não conhece Maria quem não conhece o seu Coração; mas quem conhecer a esse Coração possui o melhor conhecimento de Maria.

Não ama a Maria quem não ama o seu Coração; mas amar o Coração de Maria é amá-lo pelo melhor modo como Ela deseja ser amadaÉ no seu Coração que está a razão de todas as suas bondades para com os homens; é essa a força que nos atrai, quando a Ela acudimos e o bálsamo que nos conforta quando A imploramos, na certeza de sermos socorridos.

É porque no peito de Maria palpitava um Coração tão semelhante ao Seu, que o Coração de Jesus à hora da morte no Calvário no-La deu por Mãe: ecce mater tua e a Ela nos entregou por filhos: ecce filius tuus.

Se de São Paulo se afirmou que tinha um coração parecido ao de Cristo: cor Pauli, Cor Christimuito mais e melhor que ninguém tem direito a este encômio supremo Maria Santíssima: Cor Mariae, Cor Jesu.

É porque em seu peito continua lá no Céu a pulsar o mesmo Coração dulcíssimo e amantíssimo que a Santa Igreja, nas horas aflitivas, nos manda acudir a Maria, seguros de obtermos sempre pronto socorro.

“Quem considerar atentamente os anais da Igreja Católica – escrevia o saudoso Pontífice Pio XI – verá facilmente unido a todos os fastos do nome cristão, o valioso patrocínio da Virgem Mãe de Deus. E na verdade, quando os erros, grassando por toda a parte, procuravam dilacerar a túnica inconsútil da Igreja e subverter o mundo católico, Àquela que “sozinha destruiu todas as heresias do mundo inteiro” (do Breviário Romano) acudiram nossos pais e se dirigiram com o coração cheio de confiança; e a vitória por Ela obtida trouxe-lhes tempos mais felizes”.

Quando a impiedade muçulmana, confiada em potentes armadas e grandes exércitos, ameaçava arruinar e escravizar os povos da Europa, foi implorada instantissimamente, por conselho do Sumo Pontífice, a proteção da Mãe Celeste; deste modo foram destruídos os inimigos e submergidas as suas naus (referência à batalha de Lepanto, em outubro de 1571, n.d.c.).

E tanto nas calamidades públicas, como nas necessidades particulares, tem acudido à Maria, suplicantes, os fiéis de todos os tempos, para que Ela venha benignissimamente em seu socorro, obtendo-lhes o alívio e remédio dos males do corpo e da alma. E jamais seu poderosíssimo socorro foi esperado em vão por aqueles que o imploram em prece confiante e piedosa.

Com toda a razão, portanto, nas horas difíceis em que hoje vivemos, todas as nossas esperanças de salvação, de triunfos e de paz estão postas nesta Arca de salvação: no Coração de Maria.

“A mim, o mínimo dos santos, foi-me dada esta graça de evangelizar às gentes as investigáveis riquezas de Cristo”, dizia São Paulo.

Uma das mais insondáveis riquezas que nos legou Cristo foi o Coração de Sua Mãe. E se a nós nos fora dado carisma parecido ao do Apóstolo de evangelizarmos aos nossos leitores toda a profundeza, longitude e latitude, todos os abismos preciosos de amor encerrados no Coração de Maria!

Um erudito e piedoso autor dizia, ao escrever sobre o Coração da Mãe de Deus, que ambicionava para si poder, como outrora São João Evangelista na última Ceia sobre o peito do Senhor reclinar-se também sobre o peito de Maria, para depois de escutar as palpitações de seu Coração, conseguir mais facilmente dizer desses segredos de amor.

As nossas ambições vão mais longe neste instante: quiséramos não somente reclinar a cabeça sobre o Coração Imaculado de nossa Mãe do Céu, mas poder estabelecer lá dentro a nossa morada para que, iluminados nessa luz, virginizados nessa pureza e inflamados nas chamas dessa caridade, tudo o que disséssemos fossem palavras de luz e fogo a brotar da abundância desse Coração inefável.

Que Ela nos acolha nesse recôndito de amor, nos faça aí como que desaparecer nEla, para que afinal seja Maria quem diz de Si mesma, pelo débil instrumento que todo se lhe consagra, as maravilhas do seu Coração.

Que seja aí também que os nossos leitores coloquem a sua mansão, para nessa escola e a essa luz melhor compreenderem a obra prima do Senhor.

Fonte : Legionário, 28 de março de 1943, N. 555, pag. 2

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

10 − 5 =