All posts by Modesto

Nuno Álvares Pereira, Condestável de Portugal, guerreiro e santo

Nascido em 1360, no Castelo de Sernache de Bonjardim, filho de um dos mais ilustres senhores do reino, D. Álvaro Gonçalves Pereira, Prior da Ordem Militar dos Hospitalários, teve D. Nuno a educação militar dos nobres.

Aos 16 anos casou-se com D. Leonor de Alvim, muito virtuosa e tida como a mais rica herdeira do reino.

Tiveram três filhos: dois meninos, que morreram cedo, e uma menina, D. Beatriz, que foi tronco da Casa de Bragança.

Porém Nuno não se satisfazia com ser pacato castelão. Lembrava-se do dia em que fora armado cavaleiro, dos juramentos solenes que fizera, e perguntava a si mesmo:

“Passarei toda a vida assim? Para isto recebi tão solenemente a espada, sobre a qual fiz tão sérias promessas?”

O Rei D. Fernando, o formoso, entregara grande parte do reino ao invasor castelhano, sem qualquer resistência; homem apático, mole, desfibrado, mereceu de Camões o severo juízo: “um fraco rei faz fraca a forte gente”.

E havia também o “grande desvario”: Fernando ousara colocar no trono de Sta. Izabel, como Rainha de Portugal, a legítima esposa de um fidalgo que exilara — D. Leonor Teles, “a aleivosa”.

Read more… →

Tomar: reduto dos templários em desgraça (I)

A Cavalaria, que um autor francês chamou de “a mais bela aventura da História”, é fruto do amor de Deus numa época em que sociedades inteiras moviam-se em conformidade com os 10 Mandamentos e as leis da Igreja.

São Miguel Arcanjo, príncipe da milícia celeste, é o patrono da Cavalaria.

Enquanto instituição, ela nasceu das relações feudais, pelas quais os homens se apoiavam mutuamente para defender-se ante as freqüentes invasões bárbaras.

Essa confiança mútua baseava-se na noção de honra lastrada na caridade cristã.

Dentre as mais célebres ordens de cavalaria destaca-se a dos Templários, criada em 1119 na Cidade Santa por cavaleiros francos. Seu nome liga-se ao Templo de Salomão.

Sua divisa era: “Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam” (Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso Nome dai glória).

Faziam o voto de não recuar nas batalhas. Por isso eram terríveis e temíveis, impondo profundo respeito aos inimigos.

* * *

Com exceção das duas primeiras cruzadas, as sucessivas foram muitas vezes marcadas por desastres, devido às misérias humanas: cobiça, intriga, vanglória, etc.

Com o fim do Reino franco de Jerusalém, as ordens de cavalaria refluíram para a Europa. A dos Templários foi das mais prósperas, chegando a possuir, só na França, cerca de 9.000 commanderies (espécies de fazendas fortificadas).

Seu patrimônio, adquirido mediante doações, era imenso. Mas seu ideal infelizmente já entrara em decadência.

No começo do século XIV, era rei de França Filipe IV, o Belo — homem de espírito revolucionário, oposto ao de seu avô São Luís IX.

Em disputa com o Papa Bonifácio VIII, mandou esbofeteá-lo em Anagni, o que provocou a morte do Pontífice por desgosto, pouco depois, em 1303.

Em 1305, subia ao trono de São Pedro o francês Bertrand de Got, com o nome de Clemente V.

Sensível às instâncias do rei francês, o novo Papa mandou fechar, em 1312, a Ordem do Templo, baseado em acusações graves e obscuras, que até hoje a História não desvendou cabalmente. E a coroa francesa apossou-se dos bens da Ordem.

W. Gabriel da Silva

Vídeo

Vídeo: Lourdes: bênção final da procissão das velas

Na noite, o ar dos Pirineus apresenta uma pureza extraordinária.

Brilhando no alto de um escarpado morro, a formidável fortaleza medieval de Lourdes, toda iluminada de luz dourada, completa o panorama.

Ela evoca uma era em que a Cruz e a espada se uniam aos pés da Virgem Imaculada, esmagando eternamente a cabeça da serpente.

O espetáculo da procissão na monumental esplanada faz pensar naquela outra procissão — quão maior e mais esplendorosa — que, como anelam tantos fiéis, poderá inaugurar o Reino de Maria, após o advento dos tremendos acontecimentos previstos em Fátima, próprios a purificar a Terra.

Imaculada Conceição: a grande confirmação das aparições de Lourdes

O 8 de dezembro é uma das grandes datas do santuário de Lourdes.

É a festa da Imaculada Conceição, que está no cerne da devoção a Nossa Senhora de Lourdes.

Nossa Senhora ali apareceu a 11 de fevereiro de 1858 ― a máxima festa de Lourdes ― para confirmar esse dogma, proclamado solenemente alguns anos antes pelo Bem-aventurado Papa Pio IX, para entusiasmo da Cristandade e humilhação da iniquidade anti-católica.

Uma procissão excepcional é organizada para as 21:00 horas.

Ninguém falta a ela e o cortejo com velas se põe em marcha, saindo da Gruta sagrada, percorrendo toda a esplanada e culminando ao chegar diante das basílicas.

As Ave-Marias são rezadas nas línguas dos grupos mais numerosos.

Após cada mistério, canta-se o bem conhecido hino Ave, Ave, Ave Maria, cuja letra difere, nas diversas línguas.

Mas na hora do estribilho Ave, Ave, Ave Maria, a multidão estremece erguendo as velas em uníssono.

Naquele momento, dir-se-ia que a obra da Santíssima Virgem nos corações apaga os efeitos da maldição da torre de Babel.

Após a bênção final, o pequeno número de eclesiásticos presentes tem dificuldade para conter o entusiasmo da multidão que quer tocar a piedosa imagem que preside a procissão.