Category Archives: Verdades esquecidas

Ambiente privilegiado da Família

 

 

Ambiente privilegiado da família
“O que mais vale é a herança espiritual, transmitida não tanto por esses misteriosos liames da geração material, quanto pela ação permanente daquele ambiente privilegiado que constitui a família.

“Com a lenta e profunda formação das almas, na atmosfera de um lar rico de altas tradições intelectuais, morais e sobre tudo cristãs; com a mútua influência existente entre os que moram numa mesma casa.

“Influência esta cujos benéficos efeitos se prolongam para muito além dos anos da infância e da juventude, até alcançar o termo de uma longa vida naquelas almas eleitas que sabem fundir em si mesmas os tesouros de uma preciosa hereditariedade com o contributo das suas próprias qualidades e experiências.

“Tal é o património, mais do que todos precioso, que, iluminado por firme Fé, vivificado por forte e fiel prática da vida cristã em todas as suas exigências, elevará, aprimorará, enriquecerá as almas dos vossos filhos”.

(Fonte: S.S. Pio XII, discurso ao Patriciado e à Nobreza Romana, 5 de janeiro de 1941)

A palavra mãe é a quintessência da família

 

 

“A palavra família indica uma pluralidade de pessoas. Mas há uma palara que indica uma pessoa só, uma palavra de especial significado: mãe. Mãe é a quintessência da família, porque é a quintessência do amor e do afeto, e nessas condições a quintessência da bondade e da misericórdia.
Desta maneira, a alma em contato com a mãe começa a compreender o que é a bondade que não se cansa, o que é a graça, o favor, o amor que não se exaure, o que é aquela forma de afeto materno que faz com que a mãe nunca ache que é tedioso estar com o filho, nunca ache que é monótono estar com ele. Ter seu filho nos braços, brincar com ele, soltá-lo no chão, vê-lo correr de um lado para outro, ser importunada por ele incontáveis vezes durante o dia com perguntinhas, com brinquedinhos, para a boa mãe é a alegria da vida.

Se alguém, na entrada desta vida, percebe o que é a alegria de uma boa mãe, compreende que a vida na Terra pode ser muito difícil, mas que enquanto conservar a recordação de sua mãe, conservará a recordação paradisíaca da sua infância.

Conservando esta recordação, conserva a esperança do Paraíso celeste, onde a boa mãe vai-nos receber, e nós compreendemos através disso tudo quanto é Nossa Senhora Auxiliadora para nós”.
Plinio Corrêa de Oliveira

 Revista Catolicismo